Transtorno de Estresse Pós-Traumático e abuso sexual – prejuízos de traumas na infância que acometem pessoas até a vida adulta.

Rafael Amorim
5
(6)

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) associado ao abuso sexual, causam efeitos e impactos devastadores aos processos de maturação, organização cerebral e sobre os sistemas neurobiológicos em resposta ao estresse repercutindo sobre o desenvolvimento cerebral da criança e do adolescente, comprometendo-os até a vida adulta.

O que é o TEPT?

Não se trata mais de um transtorno derivado do pós-guerra, conforme apontam os primeiros registros. Trata-se do surgimento de sintomas ansiosos, fóbicos ou de medos, depressivos, entre outros, recorrentes ou esporádicos, associados à vivência de um dado trauma vivenciado direta ou indiretamente no passado.

Com o avanço das pesquisas foi possível observar os variados contextos relacionados a este transtorno, entre eles, o abuso sexual contra crianças e adolescentes. Este tema ganha proporções dada a concepção e devida atenção aos aspectos de infância e desenvolvimento humano.

E o abuso sexual?

Alguns autores apresentam o abuso sexual infantil, relacionado a severas consequências para o desenvolvimento psicossocial incluindo prejuízos cognitivos, emocionais, comportamentais e sociais, podendo comprometer toda uma vida.

O abuso sexual é caracterizado em sua constituição de maus-tratos contra a criança e adolescente, de forma física, psicológica, ou de mero exibicionismo com exposição de material pornográfico à criança ou utilização da criança na elaboração de material para exploração pornográfica.

Os dados são alarmantes e nos indicam a necessidade de maiores cuidados com nossas crianças!

A Organização Mundial da Saúde (OMS) destaca o abuso sexual infantil como um dos maiores problemas de saúde pública. Estima-se, a partir das pesquisas realizadas, que 36% de meninas e 29% de meninos já sofreram abusos sexuais, onde também apontam que os dados acerca do abuso sexual no Brasil não são abrangentes, pois representam locais isolados e amostras parciais. Entretanto, estima-se aproximadamente 50 mil casos de violência sexual infantil com maior índice na região Nordeste. Isso ainda não representa uma totalidade, uma vez que cerca de 10% a 15% apenas dos vitimados registram os abusos em delegacias, conselhos tutelares, hospitais e outros órgãos pertinentes dado ao fato de omissão, vergonha e medo diante dos casos que predominantemente ocorreram no meio intrafamiliar.

Inúmeros tipos de violência, entre eles o abuso sexual contra a criança e adolescente, infelizmente, são repetidamente anunciadas nos jornais e noticiários, vivenciadas direta ou indiretamente por muitas pessoas e assim se tornam potenciais eventos estressores, expondo os cidadãos cada vez mais ao risco de transtornos. O Transtorno do Estresse Pós-traumático (TEPT) e suas consequências é apontado como um dos mais associado ao abuso sexual infantil.

Ao que precisamos ficar atentos, acerca do abuso sexual?

Os fatores mais brutais da prática do abuso sexual contra a criança e adolescente, é que a maioria ocorre no meio intrafamiliar das vítimas e no que tange aos perfis, demonstra-se um predomínio do gênero masculino no perfil do abusador e do feminino no perfil da vítima, sendo a eminência maior sobre as meninas na faixa etária entre 7 a 12 anos e nos meninos na faixa de 4 a 6 anos. As transformações do corpo nas meninas e a vulnerabilidade em resistência dos meninos são apontadas como razão para maior incidência nessas faixas etárias.

Toda pessoa que passar por um episódio de abuso sexual, desenvolverá o TEPT?

O desenvolvimento do TEPT nem sempre será desencadeado em vítimas de abuso sexual na infância, devido ao fator resiliência, embora este seja o transtorno mais associado ao abuso, e seu quadro sintomatológico poderá ser apresentado por longo período da vida, se não avaliado e tratado devidamente.

Os danos ocasionados vão além do aspecto psicológico?

São as falhas do Sistema Nervoso Central na interpretação, síntese e integração dos eventos traumáticos emocionalmente carregados de angústia e sofrimento que corroboram para que estímulos cotidianos sejam recebidos como potenciais estressores. Além de explicar as respostas exageradas de sobressalto, os ataques de ira e sintomas de amnésia frente aos estímulos estressores. A principal alteração estrutural do cérebro é a redução do volume hipocampal, seguido da hiperfunção da amígdala, corpo caloso, hipotálamo e córtex frontal.

Em síntese compreende-se que frente às alterações estruturais e de funcionalidade, relacionados ao TEPT são apresentados os prejuízos cognitivos na memória de curto prazo, na memória declarativa, na atenção sustentada, atenção seletiva, aprendizagem verbal, construção visual, funções executivas, processamento emocional e aumento dos sintomas de dissociação. Porém, estes não podem ser generalizados, dada a falta de controle das variáveis frente aos resultados na falta de amostras específicas nos estudos acerca do TEPT.

Como é o tratamento?

A partir da premissa de que o TEPT é um transtorno em potencial, consequente das práticas de abuso sexual contra a criança e adolescente, que infelizmente são mais corriqueiras do que se presume, e em amplas as fases de desencadeamento pós trauma, se faz necessário o acompanhamento médico, seja psiquiátrico ou neurológico, respaldo e apoio familiar, assistência social e o devido acompanhamento psicológico.

No que tange ao acompanhamento psicológico, o objetivo principal está associado à busca da resiliência e retomada da vida, tanto para o pós-trauma recente, no caso da criança e do adolescente, como para o pós-trauma tardio, quando a sintomatologia aparece e evolui na vida adulta, a partir da abordagem do trauma, por meio de técnicas e intervenções que sejam capazes de propiciar a partir da evocação adequada das memórias e consequentemente o manejo adequado das respostas frente aos agentes estressores e assim alcançar o controle nas vivências cotidianas.

A Terapia Cognitivo-Comportamental é então a psicoterapia mais indicada ao tratamento do TEPT, frente as amplas possibilidades de técnicas e programas de tratamentos empiricamente comprovados.

Para maiores informações e/ou necessidades frente a esta ou outras patologias, entre em contato com um Psicólogo Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental.

Estou à disposição

Você gostou desse post?

Rafael Amorim
Compartilhe o post:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Leia também

Qual o impacto da TV no seu cérebro?

0 (0) Todos nós ouvimos o aviso quando crianças: “Essa TV vai prejudicar o seu cérebro! ”, e hoje a preocupação é ainda maior, já

Como lidar com o TOD?

4 (4) Em algum momento você já pensou “o que faço agora?” ou “como posso ajudar meu filho (a)?” O que é? De acordo com

Rua Abílio Moreira de Miranda, 45
Alto Cajueiros, Macaé – RJ | 27915-250
Macaé Trade Center | MTC

Agende uma consulta no Plenamente