Ter um filho para descobrir como educar, ou se preparar como educar para ter?

4
(1)

Ter um filho para descobrir como educar, ou se preparar  como educar para ter?

Desde criança a maternidade foi algo que mexeu muito comigo, primeiramente porque quando ainda bem pequena eu me sentia tão sozinha que acreditava que um filho me faria sentir amada. A medida eu que crescia ia passando vários questionamentos na minha cabeça sobre essa decisão e logo fui formando a minha opinião a respeito.

Alguém te ensinou a ser mãe/pai?

Você já parou para refletir que tudo que fazemos ou ensinamos quase 100% das vezes precisamos aprender fazendo um curso, lendo manual certo?

Desde a nossa concepção começamos o processo de aprendizagem, primeiro em casa, escola, faculdade etc.

Se eu te perguntar se alguém te ensinou a ser mãe/pai você sabe me responder?

 A verdade é que somos preparados e ensinados para tantas coisas, mas não temos uma matéria na escola ou na vida que ensina maternidade e paternidade. Não temos um guia, um manual, dificilmente você tem conhecimento sobre as fases da vida de desenvolvimento de uma criança até ela se tornar adulta, possivelmente você mesmo não teve orientação clara sobre cada fase. Nós recebemos uma educação baseada em suposições e tentativas de acerto, acredito que está na hora de parar de fazer experimentos.

Ainda criança mesmo eu decidi que para me tornar mãe precisa de uma construção, onde teria primeiro estabilidade financeira, uma carreira, um marido e depois filhos.

Talvez esteja você esteja se questionando que se aprende na prática e concordo em partes, ter um filho sem nenhum tipo de preparo é uma grande oportunidade de uma catástrofe com a vida de um inocente. Pesquisar sobre o assunto, estudar e aprender inclusive sobre sua própria educação te dá a oportunidade de formar um adulto extraordinário.

A educação que você recebeu foi boa o suficiente?

Eu sofri muito e levei muitos anos até entender e conseguir resolver os problemas que eu tinha na vida. E posso te garantir que a base de tudo está na infância, os meus pais foram suficientemente bons na questão de prover. Mas isso não exclui o fato de que nos negligenciaram segurança emocional. E não adianta você dar um brinquedo caro enquanto a criança só precisa de um abraço de uma compreensão. Eu cresci apavorada com medo da vida ter saído de casa cedo foi uma das melhores escolhas que fiz, porém não distância geográfica que gere distância emocional.  E o tempo que levei para descobrir isso foi muito doloroso.

Quero que você se faça uma pergunta a educação que você recebeu foi boa o suficiente?

Se a sua resposta for não eu quero que você reflita porque se você não olhar pra isso você errar igual ou pior com seus filhos. Baseado nas minhas experiencias na trajetória que fiz até mesmo observando desde criança a relação de amigos, primos com seus pais, depois observando a relação de outras pessoas com filhos e pais e nos conceitos das minhas formações que escrevi o livro “Filhos como entender, amar e transformar los em adultos extraordinários.’

Uma criança é apenas uma criança

Se sua infância não foi boa o suficiente você pode revisitar seu passado e se curar dos seus traumas, para que a próxima geração não precise se curar pois não terá adoecido.

E o fato de você amar muito uma pessoa e essa pessoa te amar não significa que ela te faça bem, ter consciência disso te tira o peso de ter que honrar pais despreparados e ou mal-intencionados.

Uma criança é apenas uma criança e não tem culpa dos problemas dos pais e nem responsabilidades em praticar deles.

Ela precisa ser preparada desde o nascimento fase a fase recebendo amor, segurança física e emocional. Na infância é lançado a semente da felicidade ou dos infortúnios futuros.

Como dizia Freud uma criança quando nasce é uma bolinha de carne um HD sem informação onde os pais têm a possiblidade de construir um gênio ou um fracassado.

“A falha começa quando se discute convicções ao invés de argumentos”

Eu não tive uma infância de fome, abusos sexuais ou violência. Mas tive pais despreparados e infantis que não tinha condições de me educar emocionalmente e eu sei o quanto isso.

Só que naquela época não tinha as informações que temos hoje as pessoas faziam o que conseguiam sem buscar novas maneiras de fazer. Mas hoje é tudo diferente, você tem um mar de possibilidades de informações e capacidade para se questionar se está bom ou não.

Se quiser mais informações sobre o meu trabalho clique no botão abaixo e você será direcionado para minha página. Preencha com seus dados e clique quero me inscrever.

Deixe seu e-mail para ser avisado quando o livro for lançado, acesse a minha página.

Você gostou desse post?

Compartilhe o post:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Leia também

Você não vai se livrar da ansiedade!

O que diferencia a ansiedade de uma emoção que faz parte do seu funcionamento psíquico e perfeitamente normal para algo patológico é justamente a frequência, a intensidade e a duração dos sintomas e como ela atrapalha a sua vida e causa sofrimento.

Qual o impacto da TV no seu cérebro?

0 (0) Todos nós ouvimos o aviso quando crianças: “Essa TV vai prejudicar o seu cérebro! ”, e hoje a preocupação é ainda maior, já

Como lidar com o TOD?

4 (4) Em algum momento você já pensou “o que faço agora?” ou “como posso ajudar meu filho (a)?” O que é? De acordo com

Rua Abílio Moreira de Miranda, 45
Alto Cajueiros, Macaé – RJ | 27915-250
Macaé Trade Center | MTC

Agende uma consulta no Plenamente