Emagrecendo sem dieta

Emagrecendo sem dieta
5
(5)

A busca por algo que se deseja com muita força pode nos levar instintivamente à luta e a enorme vontade de controlar tudo. De fato, se você se dedica a um novo projeto, e nele trabalha 16 horas por dia, é bem provável que ele cresça mais rápido.  Do mesmo modo, quando você direciona toda a sua energia e esforço para emagrecer, fazendo inúmeras restrições, ainda que estas sejam desrespeitosas com seu corpo, é provável que você emagreça mais rápido.

A perseguição de um objetivo de maneira descontrolada, sem avaliação e percepção dos caminhos e meios, nos faz desconsiderar o tempo certo das coisas, nos leva a atitudes incoerentes às nossas verdadeiras necessidades e traz sofrimento.

Digamos que você começasse hoje um processo de emagrecimento, que proporcionasse perda de peso gradual, de maneira leve e equilibrada, e que tivesse duração de 2 ou 3 anos. Julga ser muito tempo? E se a outra opção for perder o mesmo peso, em 2 ou 3 meses, na base do vai ou racha, cheias de restrições que pioram sua relação com a comida, tornando o processo insustentável e sofrido? Julga ser melhor porque foi mais rápido? O que é mais importante, a velocidade ou a direção?

Vamos refletir

Por quanto tempo você sustenta uma alimentação restrita que não atende às suas necessidades físicas, sociais e emocionais? Qual a vantagem de travar uma luta contra o tempo, tentando controlar seus desejos excessivamente, em busca de um resultado que certamente sucumbirá em um curto espaço de tempo? Não seria isso um exemplo de falta de confiança na vida e no seu corpo?

Essa ideia de que no processo de emagrecimento existe uma linha de chegada que você vai sofrer para alcançar, é justamente o que gera pressão e que te faz acreditar que é preciso suspender o fôlego e ir ao esgotamento dos seus limites físicos e emocionais. Dá a sensação de que alcançando essa linha de chegada você ganhará um prêmio e poderá se permitir e comemorar com liberdade. Falsa sensação de autonomia, porque vem com exageros, você passa a se permitir de maneira desregrada, sem critérios, como forma de compensar todo o sofrimento e esforço durante o processo. E aquele resultado alcançado à duras penas se perde, ou seja, engorda tudo de novo.

Alimentação saudável proporciona saúde

Autonomia se dá quando existe movimento e transformação, ela não é uma medalha que se ganha ao final de uma corrida árdua. Você precisa se transformar, construir uma relação equilibrada com a comida, aprender a analisar as situações emocionais, sociais, físicas que te cercam, para então, com auto responsabilidade, fazer escolhas conscientes e não por impulso.

Quando digo que é possível emagrecer sem dietas, não estou dizendo pra abrir mão de uma alimentação saudável (= proporciona saúde). O bom funcionamento do seu corpo depende dele estar nutrido adequadamente, então esse é um fator que precisa ser considerado ao fazer escolhas para a vida, concorda? 

Não é mágica, muito menos fácil, você ainda vai precisar se importar, se envolver e fazer escolhas seguindo preceitos coerentes com seus objetivos. Entender suas vontades e estabelecer limites de cuidado com você e seu corpo é fundamental para se ter autonomia O seu corpo funciona a partir de vários critérios que somente você pode acessar, e ignorar isso é só mais uma forma de desconexão e abandono.

O meu trabalho é te apresentar esse universo. Mas como? Qual o seu método? Podemos falar em método, já que não temos dietas? Talvez sim, se levarmos em conta que o principal fundamento dele é o SER, em sua totalidade. Um método que será inteiramente guiado e construído por você, contornado pela minha experiência e apoio. Vamos juntos? Estou aqui.

Quer saber mais? Precisa de ajuda para seu emagrecimento? Entre em contato clicando aqui.

Roberta Vilarino, Graduada em Nutrição, Pós-graduada em Obesidade e Emagrecimento.

Você gostou desse post?

Compartilhe o post:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Leia também

Qual o impacto da TV no seu cérebro?

0 (0) Todos nós ouvimos o aviso quando crianças: “Essa TV vai prejudicar o seu cérebro! ”, e hoje a preocupação é ainda maior, já

Como lidar com o TOD?

4 (4) Em algum momento você já pensou “o que faço agora?” ou “como posso ajudar meu filho (a)?” O que é? De acordo com

Rua Abílio Moreira de Miranda, 45
Alto Cajueiros, Macaé – RJ | 27915-250
Macaé Trade Center | MTC

Agende uma consulta no Plenamente